16 de mar de 2011

Nova idade

Esta semana inaugurei uma nova idade. Foi no dia 14 de março. Promovi uma comemoração bem diferente da de anos anteriores (geralmente não há festa). Fui ao encontro de pessoas queridas e festejamos a vida e a esperança que nos move. Momento ímpar: oração, louvores em agradecimento a Deus, bolo, refrigerantes e até bolas de soprar e chapéus - os dois últimos foram surpresas.

Sou grata a Deus pelos anos de experiência que estão acumulados em mim. E meu desejo é que esta bagagem seja fonte de sabedoria; que o aprendizado permita que eu erre menos; que eu não queira uma felicidade sozinha, mas acompanhada de amigos, amor e familiares.

Em tempo de redes sociais, recebi inúmeras mensagens carinhosas no Orkut e Facebook, além de torpedos e telefonemas.

Tanto a agradecer... Obrigada, Senhor Deus!

Compartilho, abaixo, com os leitores do Verbo Solto um texto da escritora e poeta Cora Coralina, com sábios conselhos de uma mulher que publicou seu primeiro livro aos 76 anos de idade.


De Cora Coralina:
"Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice. E digo pra você, não pense. Nunca diga estou envelhecendo, estou ficando velha. Eu não digo. Eu não digo estou velha, e não digo que estou ouvindo pouco. É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso.
Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida. O melhor roteiro é ler e praticar o que lê. O bom é produzir sempre e não dormir de dia.

Também não diga pra você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais. Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima.

Eu não digo nunca que estou cansada. Nada de palavra negativa. Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica. Você vai se convencendo daquilo e convence os outros. Então silêncio!

Sei que tenho muitos anos. Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha não. Você acha que eu sou?

Posso dizer que eu sou a terra e nada mais quero ser. Filha dessa abençoada terra de Goiás.

Convoco os velhos como eu, ou mais velhos que eu, para exercerem seus direitos. Sei que alguém vai ter que me enterrar, mas eu não vou fazer isso comigo.

Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes. O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade. Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça. Digo o que penso, com esperança. Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor.
Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende".


(Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas. Nasceu em Goiás, em 20/08/1889. Faleceu em 10/04/ 1985, aos 96 anos. Primeiro livro publicado aos 76 anos de idade).


8 comentários:

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

Manamiga! Que coincidência, amada. Estamos no mesmo espírito.FIz aniversário no dia 9 de fevereiro. Também me reuni com amigos e o tema foi: "Quero ser como criança".
kkkkkkkkkkkkkkkk "Conosco ninguém podemos". bjo e muita alegria e paz no seu coração, juntamente com a certeza de que o presente já é o futuro aqui. Abracemos o amanhã com toda a paciência e tolerância necessária neste tempo turbulento.

Paz nEle.
bjo, manamiga e é muito bom saber que a criança que existe em você é tão terna e madura quanto a menina mulher que nasce a cada dia e se renova.

Cacá - José Cláudio disse...

Olá, Fátima! Que Deus a cubra de saúde, alegrias, conquistas muitas e inspiração constante para nunca deixar de nos ofertar a boa e preciosa literatura. Abraços com intenções de felicidades e muitos anos de vida. Paz e bem.

Marcos Oliveira disse...

Parabéns Fátima!
Saúde & Paz!
Ótimo o texto da Cora Coralina.

Patrícia Bueno disse...

Amiga! Que seu caminho continue com o brilho daqueles que têm fé e muita sensibilidade para enxergar as coisas essenciais da vida. Muita saúde e muita luz pra você, sempre!

Luiz Felipe Muniz disse...

"A gente corre o risco de chorar um pouco, quando se deixou cativar..."

Fátima, as letras são enígmas legítimos e eternos, não só os sábios sabem formatá-las aos sentidos da alma...mas também todos aqueles que se deliciam num olhar despretencioso o momento eternizado pelos mestres!

Desejo-lhe toda felicidade, toda paz e toda sabedoria para prosseguir nas buscas que lhe encantam e que sempre nos brindam com sentidos originais e profundos!

Feliz niver, mesmo assim em atraso,
Luiz Felipe

Kenny Rosa disse...

Meus parabéns minha querida. Desculpe a ausência que me fez perder o momento exato das felicitações. Desejo-te tudo de bom e que Deus continue te abençoando sempre.
Abraços
Kenny Rosa (http://cronicandocomvoce.blogspot.com)

Poemas e Amizades disse...

Certamente, o maior presente que recebeu veio das mãos de Deus, o de saber que dentro de um vaso de barro aparentemente finito está contida a glória infinita.
Os dias escondem anos, eis o grande mistério da vida!
Alguns anos a trouxeram a esse dia... Que muitos anos a levem a outros dias, resplendentes, inesquecíveis.
Parabéns, você merece, pela pessoa sensível, amiga, íntegra, honesta e idealista que é.
Um abraço carinhoso
Lello

Fátima Nascimento disse...

Obrigada aos queridos leitores pelo carinho. Abraço imenso!