23 de nov de 2010

Palavra al dente

água arde
língua quente
ardente
al dente
no ponto de chuva
que reverbera
na terra
e germina
a semente
da mente
que inspira você
água ardente
que aumenta o fogo
entre gravetos
de palavras
e a pá lavra a terra 
do poeta.

(Fátima Nascimento)

5 comentários:

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

Amada! Estamos vivendo um dos momentos mais lindos do Brasil. Hoje fui supreendida pela alegria! Manamiga, nada como viver a Vida, náo? uau!

E que poema lindo é este aqui? Fogo entre grevetos de palavras... Lindo manamiga. E já está aceso... huahuahua

Poemas e Amizades disse...

Li e reli com gosto. Linda dança de palavras (al dente), lindo poema que evoca dentro de nós poesia, reverberação, chuva, água... Você tem esse dom impressionante de poema-terra! Amo isso.
Beijo carinhoso
Lello

Fátima Nascimento disse...

Rosângela, você sempre presente é um PRESENTE. Obrigada!

Fátima Nascimento disse...

Lello, se é mesmo um dom, como vc falou, que seja útil aos que lêem.

Obrigada!

Bj.

Fátima Nascimento disse...

Lello, se é mesmo um dom, como vc falou, que seja útil aos que lêem.

Obrigada!

Bj.