23 de ago de 2010

O que podemos fazer?

Ao ver, ler e ouvir sobre o episódio ocorrido em São Conrado no sábado 21, o que me vem à mente é a necessidade URGENTE de combater o tráfico de drogas. Não temos força pra inibir o tráfico, mas podemos cuidar de nossos adolescentes e jovens pra que não se tornem usuários ou apoiá-los para que saiam do vício. O tráfico de drogas existe porque há os consumidores de entorpecentes.

Dá pra imaginar o poderio que os traficantes exercem nas comunidades carentes. E ainda a imagem de autoridade que passam para os jovens, que ante à miséria na qual vivem, espelham-se nestes homens, desejando o status que eles têm. E aí tornam-se "soldados" que se alistam neste faz-de-conta da alegria.

A mente e auto-estima das crianças, adolescentes e jovens têm que ser cuidadas.

No livro Pais Brilhantes Professores Fascinantes, o psiquiatra Augusto Cury diz:

"Muitos jovens são agressivos e rebeldes, e seus pais não percebem que eles estão gritando através de seus conflitos. Os comportamentos inadequados muitas vezes são clamores que imploram a presença, o carinho e a atenção dos pais".


O que está ao nosso alcancer fazer? Pensemos nisso e lutemos com as "armas" que temos.

Um comentário:

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

Manamiga!Se juntos buscarmos as soluções e juntos arregaçarmos as mangas,muito podemos fazer. Jovem quer "olho no olho", coração no coração. Jovem quer sentir e ouvir "palavras coerentes e verdadeiras". Eles querem, mas "não deixam..." "não deixam..." Entende? JOvens,homens e mulheres aprisionados por vícios são lucro para muitos.

Experimentamos isso com estudantes do Fundamental e Ensino Médio. Com "palavras", com "atitudes" e com "verdade", falando para eles o que eles precisam ouvir sobre eles mesmos, quem eles realmante são, etc. No início, eles se rebelam mesmo, depois são "incitados" a não darem ouvidos, mais tarde eles mesmos vem correndo nos ouvir. Mas aí... Nos tiram da reta.

Foi isso que acontceu comigo e uma diretora... Cê crê nisso? A quem interessa que os jovens estejam entorpecidos?

Pois é...

"Eu tenho tanto para falar, mas com palavras nem sei dizer..."
Quem sabe um dia nossos "estudantes" que ficam mais tempo nas escolas que em família, poderão estar diante de pessoas que mais servirão de exemplos do que de incitação à rebeldia... Quem sabe? E estar diante de exemplos não é estar diante de uma só fala, não. Nâo ´pe ser catequisado sem uma escolha após comparações não. É estar diante de fatos diferentes para serem comparados e escolhidos com CONSCIÊNCIA. Mas, muitos, já tiveram suas consciências roubadas, capturadas, adestradas. E o pior: Tudo para o lado negativo, do mal mesmo. Que outro nome deveríamos dar a esta sociedade "coisificada", onde os jovens só estão diante do lado do mal?