9 de mai de 2006

Leitura amarga


Existem notícias capazes de causar enojamento que melhor seria não ter conhecimento delas. Mas contrariando o nosso desejo são exatamente as manchetes escabrosas que mais nos atraem. Talvez seja por uma necessidade inconsciente de entender o que motiva pessoas aparentemente tão iguais a nós a atos cruéis e insanos. A informação “Mãe de 16 anos espanca até a morte bebê de dez meses” chamou minha atenção. Mais que isso: deixou-me consternada. O crime ocorreu em Ribeirão Preto no dia 15 de abril.

De acordo com matéria publicada no site “Oi”, a mãe não suportou o choro da criança. O bebê não possuía um botão que o fizesse chorar e parar de chorar, tal qual bonecas que são comercializadas em lojas infantis. Natália era de carne e osso; não resistiu ao espancamento. Segundo laudo do IML, ela teve traumatismo crânio-encefálico e perninhas quebradas.

Atitude que nos leva a questionar “que mãe é essa?”. Ao mesmo tempo em que condenamos sua impaciência e desamor, temos a convicção de que não tinha maturidade pra ser mãe e a quase certeza de que a gravidez foi indesejada. Mas calma lá: não faz muito tempo uma mulher deixou a filha dentro de um saco em um rio. A deste caso já não era adolescente. Não podemos justificar os atos conforme a idade. Parece haver uma maldade entranhada e que vem à tona de repente.

Mas não deve ter sido uma crueldade que provocou a morte de outro bebê há poucos dias. O pai esqueceu a criança dentro do carro. Foi trabalhar. Quando se deu conta, já era tarde. Ela morreu. Tenho pena deste pai, de sua esposa. Uma fatalidade. Mas quando se tem consciência dos atos, a maldade apresenta-se sem máscara e nos agride.

Diz o escritor Alcione Araújo que “o outono é um belo momento no qual a natureza troca de pele, renova-se, rejuvenesce, reúne forças, prepara-se, enfim, para enfrentar o inverno”. A natureza humana também precisa deste tempo. Outras notícias chegarão.
Texto de Fátima Nascimento publicado no Jornal Monitor Campista em 18/04/2006.

Um comentário:

leticiabrandes disse...

Q olhar heim? (rsrs)
Q bom q é o meu!
Olhar fatal!!!!!
bjao
;-*